Fé x Sentimento

É um erro gravíssimo relacionar a fé com sentimentos do coração. De fato, quando o coração é de Deus, a fé produz emoções divinas como amor, alegria e paz, os quais os frutos do Espírito. Mas o inverso não é verdade. Emoção não produz fé. Emoção produz emoção. E emoção é como nuvens; não tem nenhuma consistência. Se a vida depende da fé e a fé está misturada com emoção, quando a emoção passar a fé também passará.

Deus deu o segredo da vida quando disse que o justo viverá pela fé, não pelo amor. Como está escrito, sabemos que o amor é maior que a fé, pois Deus é maior que a fé, pois Deus é amor. Mas como chegar a Deus pelo amor? Impossível! Sua existência. E daí vem o amor por Ele. Deus é o doador da fé. Com ela O conhecemos e então O amamos. A verdadeira fé conduz ao verdadeiro amor. Eu jamais pregaria o evangelho se não tivesse fé! É ela que me enche de amor e compaixão pelas almas perdidas.

Basear o relacionamento com Deus em sentimentos é correr o risco de ser enganado pelo coração corrupto. A alegria, o choro, o entusiasmo e a emoção forte são sensações de bem-estar, mas não resolvem problemas. Quando as emoções acabam, os problemas ficam. Já com a manifestação da fé sobrenatural, os resultados positivos logo são visíveis.

Ao iniciar uma reunião na igreja, perguntei quem estava sentindo a presença de Deus. A maioria acenou com a mão afirmativamente. Então lhes disse: Eu não estou sentindo nada. E acrescentei: mas tenho certeza absoluta de que o Senhor Jesus está aqui! Sabe por quê? Porque Ele prometeu: Onde estiverem duas ou três pessoas reunidas em Meu Nome, ali estarei Eu. (Mt. 18:20) Está é a fé que agrada a Deus!

Muita gente tem desanimado da “fé” porque não sente mais o sentia no início de sua conversão. E uma coisa não tem nada a ver com a outra. Quem busca sentir isto ou aquilo deve ir ao cinema, teatro, a uma partida de futebol ou mesmo a um circo! Estas são verdadeiras fontes de emoções. Fé é certeza! Certeza de que as promessas de Deus não falham! Certeza de acontecer aquilo que está profetizando na Palavra de Deus. E quem é salvo pela fé tem de se manter e não por qualquer tipo de sentimento ou emoção humanos.

Um determinado pastor decidiu desertar, dizendo “não quero mais de pregar o evangelho”. Perguntei-lhe porque e me respondeu: “Já não sinto mais vontade no coração.” O coração dele estava contaminado há algum tempo com mágoas e ressentimentos contra terceiros. Foi aí que me lembrei do profeta Jeremias quando escreveu: Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadoramente corrupto; quem o conhecerá? (Jeremias 17:9)

Quando recebemos o Espírito Santo, Deus nos dá um novo coração. Mas nunca devemos nos esquecer que a velha natureza, o homem exterior, está sempre conflitando com o homem interior! Enquanto estamos no mundo estamos sujeitos aos caprichos da “carne”. Nosso Senhor mesmo deixou uma alerta para Seus discípulos. Vigiai e orai para que não entreis em tentação… Ora, se o novo coração fosse suficiente para impedir sentimentos humanos, não haveria tantos problemas espirituais ao longo da história do Cristianismo. E o que dizer de tantos ex-convertidos caídos à beira do caminho?

Eu nunca me propus a pregar o evangelho movido por sentimentos do coração, mas sim por compaixão das almas perdidas. Este sentimento nunca foi humano, pois não anuncio a Palavra de Deus por pena dos sofridos, mas por compaixão de suas almas. Este sentimento é de fé não humano. O novo coração é de acordo com o coração de Deus; sente o mesmo sentimento de Deus; tem a mesma visão de Deus.

publicado
Categorizado como Estudos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *